5 perguntas para se fazer antes de comprar itens para a sua casa

Acessórios caseiros como luminárias de mesa, lustres e outros podem ser indispensáveis para melhorar a infraestrutura da casa. Mas nem sempre é tão necessário quanto gostaríamos de pensar que fossem. Você já avaliou a real necessidade de tê-los na sua casa? Questionar a necessidade e entender qual é a sua vontade pode poupar bons reais na carteira. Sem contar que pode ajudar você a fazer uma boa compra meses depois. Vamos as dicas que ajudarão você a racionalizar a compra.

Por que você gostou?

Você olhou para aquele refletor e já o imaginou iluminando seu jardim durante uma noite quente de verão, onde você estará sentado numa cadeira confortável bebendo cerveja e pensando que o final de semana, enfim, está sendo um grande final de semana. Antes de concretizar a comprar, pare e pense por alguns segundos por qual motivo você o quer. É para ter um final de semana incrível? A compra do objeto é necessário ou você poderá passar um ótimo final de semana mesmo sem a insubstituível peça. Você quer comprar o objeto porque ele está na moda e todos seus amigos tem? Você pode se perguntar se o acessório o fará se sentir feliz sempre que usá-lo. É uma boa pergunta.

Homem pensando

Devo ou não devo trocar a luminária?

Funcionará com tudo que eu já tenho?

Mesmo que você encontre o acessório dos seus sonhos e seu amor por ele esteja em um nível absolutamente intenso, se não funcionar com o resto dos seus objetos, talvez você não o ame tanto quanto o viu pela primeira vez. Acontece, é normal. O importante é que você tenha consciência daquilo que o agrada e, caso esteja confiante na sua intuição, siga em frente.

Funcionará em diferentes ambientes da casa?

Não importa que você tenha comprado aquele travesseiro colorido para usar na sala de estar. Considere a efemeridade dos ambientes e pense no objeto sendo usado em outros lugares, como no caso do travesseiro, que poderia muito bem acabar na cama do seu dormitório. Itens como luminárias, cestas e pequenas mesinhas devem ser pensando, em primeiro lugar, na versatilidade. Assim você terá uma opção a mais e o melhor: um custo a menos.

Cores distintas

Talvez devesse ter pensado nas cores antes…

A qualidade do objeto é confiável?

A não ser que você tenha pouco apreço pelo dinheiro e ele pudesse ser queimado na sua frente sem que uma lágrima escorresse pelo rosto, adquirir produtos de baixa qualidade é um problema econômico e utilitário. Adquirir objetos legais com pouca qualidade podem funcionar à curto prazo, mas não permanecerão funcionando por muito tempo. Invista seu tempo e seus recursos em algo que você saiba sobre a qualidade dela. Isto o poupará de comprar outro objeto para substituir o antigo a curto prazo.

O objeto tem uma história para contar?

O último ponto é parecido com o conselho anterior. A história da produção do acessório e a intenção original de seus criadores podem servir como um forte argumento para você adquirí-lo. É diferente comprar algo de artesões locais da cidade, onde o trabalho manual e a criatividade são fundamentais, e comprar algo feito por uma indústria padronizada. Objetos assim ressaltam a personalidade da sua escolha e criam um ambiente único, inimitável.

Comprar é fácil. Só precisamos tirar a carteira do bolso e, desde que tenhamos dinheiro, pagar a conta. Fazer uma compra racional e vantajosa já é mais trabalhosa. Ainda mais quando agimos impulsionados pelo nosso sentimento de posse – aquela coisinha que diz para gente comprar e comprar por qualquer razão. Sempre devemos ficar atento às nossas emoções para não compramos gato por lebre e, sempre que possível, racionalizar sobre nossos atos. A vantagem é grande. No seu lar e na sua conta.

Fonte: Apartament Therapy