Barbosa admite que governo não pagou construtoras; dívida pode ser bilionária

Foto: Wikipedia – Nelson Barbosa 2014

Nelson Barbosa admitiu, nesta quarta-feira, 24, que há atraso nos pagamentos das obras do Minha Casa Minha Vida e declarou que o governo trabalha para regularizar o programa de pagamentos. Nelson Barbosa é o ministro do Planejamento. De acordo com ele, a reunião desta manhã entre a equipe de Dilma Rousseff e os empresários do setor teve como objetivo debater opções para “acelerar” os desembolsos referentes às obras.

Com a resolução bebida pelo conselho curador, o FGTS passará a arcar com os pagamentos dos imóveis do faixa 1 e não somente com as subvenções das financiamentos com juros mais baixos. Em contrapartida, o governo conseguiu “economizar” essa soma para satisfazer o ajuste fiscal.Enquanto não colocar em dia os pagamentos atrasados das obras, a orientação dada pelo governo é não fechar mais contratos para essa faixa inicial do Minha Casa.Em acontecimento do setor, Inês Magalhães estimou em 20% do valor do imóvel a contrapartida que Estados, prefeituras ou o próprio comprador deverá fazer para entrar no financiamento. Inês Magalhães é a secretária nacional de Habitação, do Ministério das Cidades.

Nelson Henrique Barbosa Filho é um economista e professor brasileiro.

Uma das propostas é reduzi o ritmo de construção das moradias contratadas no programa de habitação popular, uma das vitrines da gestão PT. Pelos cálculos do setor, o governo deve às ecompanhiasentre R$ 1,5 bilhão e R$ 1,6 bilhão. Outra opção é estipular um novo programa de pagamento. A indústria da construção declara que os atrasos eram de 15 dias, passaram para 30 dias e agora chegam a 60 dias. Já há empresários que ameaçam parar as obras e demitir os funcionários, o que pode agravar ainda mais o índice de desemprego no País.

O conselho curador do FGTS autorizou o fundo a custear até 80% do valor do imóvel neste ano, com subvenção de R$ 45 mil por moradia. Em 2016, a subvenção tem que ser restrito a 60%.

De acordo com Barbosa, o anúncio do Minha Casa Minha Vida 3 vai ficar para o segundo semestre. A presidente Dilma Rousseff tinha prometido o anúncio do terceiro período do programa de habitação popular para o primeiro semestre deste ano. O ministro ao sair da reunião com o setor da construção civil declarou: “Nossa prioridade agora é acelerar o programa de pagamento do 1,6 milhão de moradias que já estão contratadas para garantir o emprego e respeitar os contratos com as companhias”.

Segundo ele, não há definição ainda sobre o terceiro período do programa. Os pontos que estão em aberto são a criação de uma faixa intermediária, o reajuste do valor dos imóveis e a distribuição das moradias por faixa de renda e região geográfica.nO presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção , José Carlos Martins, alegou que o obstáculo neste momento é adaptar o ritmo das obras aos recursos disponíveis. “É colocar um sapato 38 num pé 42″, comparou.