Comic Break: “Verbas surreais”

Em nossa pilar Comic Break, trazida até nossos leitores através de uma parceria com a Architexts, abordamos desta vez a questão das verbas absurdas dedicadas a algumas obras de arquitetura o redor do mundo. Sempre através do humor, o quadrinho utiliza como exemplo o World Trade Center Oculus  em Nova Iorque, projetado pelo arquiteto Santiago Calatrava.

Temos o prazer de anunciar uma nova parceria com o Archtexts! Neste primeiro artigo de suas contribuições bimestrais, o assunto – embora abordado através do humor – é muito sério: sexismo e desigualdade de gênero na arquitetura.Desde o falecimento de Zaha Hadid há três semanas, o mundo da arquitetura tem refletido sobre sua herança. Suas execuções na arquitetura são admiráveis não somente por seus projetos inovadores, mas também por terem obtido agradecimento em um ofício dominado por homens; mas não sem ter experienciado várias maneiras de sexismo ao longo de sua jornada profissional. A página Architexts, especializada quadrinhos sobre arquitetura, usa o humor para abordar aspectos e estereótipos frequentes na profissão da arquitetura, incluindo alguns negativos.

Com um orçamento astronômico de US$ 4 bilhões, a obra é objeto de uma breve discussão entre os dois arquitetos do escritório fictício Franklin + Newbury Architects, que se frustram ao imaginarem a quantidade de pequenos projetos que deveriam fazer para sequer chegar perto da cifra que custou a obra de Calatrava, sem, no entanto, alcançarem uma fração do agradecimento do arquiteto espanhol.

Por vezes, esses estereótipos e qualidades são bastante ruins para o campo como um todo. Em nossa tirinha sobre o escritório fictício Franklin + Newbury Architects há duas arquitetas que já experienciaram alguma espécie de sexismo. Não é necessário, todavia, um escritório fictício para imaginar esta espécie de situação; ela acontece em qualquer local e provavelmente em quase todos os escritórios hoje em dia.