Estabilização do mercado imobiliário afasta risco de bolha

A estabilização do mercado imobiliário brasileiro afasta o risco de bolha para o segmento que busca um novo ponto de equilíbrio em termos de captação de recursos para não depender tanto da poupança como funding para o crédito, segundo Octavio de Lazari Júnior, presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança . Hoje, de acordo com o expert, a produção do segmento está em platô compatíveis com a oferta de crédito imobiliário no Brasil, que de janeiro a março recuou 4,6%, para R$ 24 bilhões, conforme dados da entidade.

O ex-presidente participou do seminário “Desafios ao Estado de Direito na América Latina – Independência Judicial e corrupção” promovido pela Fundação Getúlio Vargas e pelo Bingham Centre of Rule of Law, de Londres.

“Com a Selic alta, a saída dos depósitos da poupança no sistema brasileiro de pagamentos , de R$ 30 bilhões, é significativa. No entanto, a letra imobiliária garantida vem em um bom momento eauxiliaráá o mercado a subir um degrau em termos de desenvolvimento”, disse ele, em evento da Abecip sobre LIGs.

Apesar dos juros maiores encarecerem instrumentos de securitização, Lazari declarou que os ‘covered bonds’ brasileiros, em debate nos últimos dez anos, têm que ter conseqüência positivo no curto prazo. Ainda que a conjuntura econômica é “complicada”, adicionou, mas não se tem que esperar um “tempo de bonança” para comportar-se. Ele avaliou: “O pano de fundo é de crise e chance”.

De acordo com ele, a tendência é que aconteçam, e isso já é uma realidade, mais negociações entre bancos e consumidores. Já do lado das incorporadoras, segundo Duarte, os casos de inadimplência foram pontuais e o platô dos calotes está “normal”. “Em 2015, tivemos mais situações de incorporadoras pedirem mais prazo e renegociarem condição, mas essas companhias continuaram pagando. Isso não constitui inadimplência, mas ajuste de fluxo de caixa”, elucidou o presidente da Abecip.A retração da economia e a crise política são assinalados como os grandes vilões. Para Luna, são necessárias várias medidas para que o país volte a aumentar e o mercado imobiliário recomece a trajetória de alta. “Precisamos de ajustes políticos, jurídicos e econômicos. Questões sem respostas não faltam”, alegou.

A letra imobiliária garantida vai ter dupla garantia: os imóveis lastreados no título e ainda do próprio banco emissor. Aprovou-se o título por a presidente Dilma Rousseff em 19 de janeiro. Em período de desenvolvimento há mais de três anos no Brasil, a LIG se assemelha aos ‘covered bonds’ existentes na Europa e são mais um instrumento de captação de recursos para os bancos financiarem o crédito imobiliário.

Fernando Henrique alegou que vê o Brasil mais maduro e comemorou o fato de não terem sido inscritos muitos casos de conflitos entre manifestantes que foram às ruas neste domingo .