Texto aprovado sobre mudança no FGTS é negativo e vai afetar MCMV, declara Abrainc

O texto base aprovado pela Câmara dos Deputados na noite desta terça, 18, sobre a mudança na remuneração do Fundo de Garantia do Tempo de Serviços émuitoe negativo evai afetará o programa habitacional Minha Casa Minha Vida,alegouu o vice-presidente executivo da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias , Renato Ventura. O executivo alegou que defende aprimoramentos e esclarecimentos no texto para que seja adaptado às necessidades do setor habitacional e do País.

“A indústria da construção civil já está enfrentando um problema de escassez de funding e não está no momento de dispersar recursos. Todo funding necessário deve ficar nessa indústria”, alegou o executivo, ao mencionar que o mercado imobiliário tem padecido com falta de crédito e juros aumentados. O chefe da Abrainc, que também ocupa a presidência no conselho da MRV Engenharia, evidenciou ainda que o momento das contribuição ao FGTS é “bastante ruim”, sob conseqüência de demissões e diminuição na oferta de empregos. “O FGTS pode ter uma contribuição negativa no futuro”, adicionou.Ao anunciar a medida sobre o consignado na semana passada, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, alegou que essa modalidade de crédito poderia aumentar em R$ 17 bilhões com a chance de o trabalhador usar 10% do saldo do FGTS, mais a multa de 40% em caso de demissão sem justa causa, como garantia para o empréstimo. Embora se trate somente de uma garantia, para o executivo da Abrainc há o risco de os mutuários não satisfazerem suas deveres, gerando uma retirada de capital do fundo. “Podemos ficar com menos recursos para o setor imobiliário, num momento de pico negativo do segmento”, afirmou Rubens Menin.

A ademi-rj é uma associação brasileira que reúne os dirigentes das maiores companhias do mercado de imóveis da cidade do rio janeiro.

O Governo Federal , Minha Vida arremessou em março de 2009 O Programa Minha Casa para permitir o acesso em a casa própria para famílias de baixa renda.

O vice-presidente executivo durante o lançamento de indicadores econômicos em conjunto com a Fipe alegou: “O texto merece mais debate”. Para ele, a mudança na remuneração pode gerar uma insegurança jurídica.

Ainda que cria, o diretor de comunicação da Abrainc, Luiz Fernando Moura, advertiu -se um risco de viabilidade para o Fundo, tendo em vista a captação mais cara de recursos para a ampliação da remuneração, além dos ciclos de utilização das recursos e a entrada.